Foi uma porta de ferro antiga que, sem saber, abriu caminho a Ana Guerreiro para seguir a sua paixão e iniciar um projecto através do qual pudesse partilhar a cultura