Foi uma porta de ferro antiga que, sem saber, abriu caminho a Ana Guerreiro para seguir a sua paixão e iniciar um projecto através do qual pudesse partilhar a cultura portuguesa.

A tradição e arte portuguesas inspiraram Ana a criar peças decorativas que nos permitem lembrar e não deixar esquecer o nosso maior património: a cultura.

Através da marca Alzuleycha, a Ana tem um projeto em mãos e uma missão. Inspire-se com a sua história:

1. Como surgiu a Alzuleycha?

A Alzuleycha surgiu de um desejo de preservar os pormenores da nossa arquitectura, que eu como arquitecta via que estavam a desaparecer com a moda das remodelações. Lembro-me de um dia, quando estava a trabalhar numa empresa de remodelações, fazer um orçamento para a substituição de uma porta de ferro antiga por uma moderna e mais leve. Quando vi a porta antiga fiquei com o coração apertado por ver que uma porta tão bonita iria parar ao ferro velho.

Comecei a pensar como poderia fazer algo para preservar esses pormenores de arquitectura com que me identificava tanto. Um dia apareceu na empresa um azulejo hidráulico retirado de uma obra, com um desenho que nunca tinha visto e a minha imaginação começou explodir de ideias.

Tendo eu formação em design de interiores e sendo uma das áreas com que me identifico mais, comecei a pensar em produtos de decoração para a casa. Tudo começou com a ideia de fazer um aplique para a parede, como estava a ter algumas dificuldades em concretizar o produto, resolvi seguir noutra direcção, criar um produto de decoração de parede em 3D, assim surgiu o primeiro produto da marca,  o Wall Decor 3D.

No final de 2015 levei o projecto à Lisboa Design Show quando ainda estava muito no início, as peças ainda eram feitas em Papel Pluma, para testar a reacção das pessoas e ter algum feedback. A feira correu bem tive um bom feedback. Com essa boa energia começaram a surgir ideias para outros produtos da marca.

Sempre desenhei e fiz novos produtos mas nunca senti tão intensamente um projecto como a marca Alzuleycha. Sinto-me completa por poder partilhar com o mundo um pouco de mim e da minha cultura.

2. Qual a vossa missão?

A missão da Alzuleycha é honrar e elogiar a longa e rica história da arquitectura Portuguesa, perpetuando-a em produtos decorativos para a casa, e dando a conhecer a outras culturas a Alma Portuguesa.

3. Qual a maior conquista até hoje?

Todo o trabalho à volta da marca é uma verdadeira conquista, certamente que a crise monetária e as novas tecnologias vieram democratizar o design e abrir a cabeça das pessoas a novos conceitos, mas isso não tornou as coisas mais fáceis. Desde o trabalho de design que começa com a inspiração para os produtos depois o desenhos e ajustes e finalmente a produção, até ao trabalho de divulgação da marca, tudo é um caminho de conquista que eu estou grata por estar a fazer.

A marca teve uma quase grande conquista, foi convidada a fazer uma parceria com uma fábrica de louças, mas infelizmente, para minha grande desilusão, a parceria não foi para a frente. Espero que no futuro haja oportunidade para parcerias com outras fábricas.

4. Qual é o projeto de sonho da Alzuleycha, aquele que parece (quase) “impossível” de alcançar?

Um dos grandes sonhos da marca é ser reconhecida como uma marca de referência no mercado de acessórios de decoração, junto de decoradores e público, nacional e internacional. Para além disso temos vários projectos e ideias que queremos concretizar, um exemplo é trabalhar com profissionais da área da decoração e arquitectura, outro será produzir peças em parceria com grandes marcas e fábricas de produtos de decoração e casa.

Não deixe de acompanhar todas as conquistas da Alzuleycha, aqui.