No fim-de-semana passado estivemos em mudanças na nova casa da homy. Foi uma mudança relâmpago, que apesar de agendada com tempo, não pôde ser devidamente planeada, nem foi possível traçar um plano de acção que orientasse as tropas durante os dias de mudança [é favor lembrar que é a nossa segunda mudança no espaço de um mês, ver a nossa mudança de escritório aqui].

 

Neste momento estamos desarrumados, cansados, mas muito bem instalados e felizes! Cometemos erros, mas também aprendemos muito.

Foi um fim-de-semana cheio, que nos deixou KO’s, mas que nos deu muito alento para os próximos dias, meses e anos, porque uma casa nova e a família a crescer são sempre motivos de alegria!

Ainda vamos escrever muito sobre #anovacasadahomy, mas num rescaldo rápido de um fim-de-semana que ainda está muito fresco na nossa cabeça, queremos deixar em modo “notes to self” os principais erros a não cometer quando tratamos de mudanças, e algumas dicas que ajudam a agilizar e facilitar o processo.

 

Erros a não cometer:

  1. Não “destralhar” antes de mudar: como não tivemos muito tempo para planear a mudança, não conseguimos “destralhar” antes de mudar para a casa nova. Resultado: cada caixa que abrimos é uma pequena caixa de pandora que tem de ser revista, que não pode ser arrumada imediatamente, e que faz muito lixo numa casa novinha em folha que só nos apetece conservar assim [no fundo, é o mesmo que sentimos quando temos uns ténis novos e alguém nos pisa!].
  2. Desvalorizar a quantidade de coisas que acumulamos: outro erro que cometemos foi achar que, por termos estado menos de dois anos na casa antiga, e por ser uma casa muito pequenina, a mudança seria rápida porque tínhamos poucas coisas. Errado! Acumulamos tralha em tudo o que é canto. 
  3. Expectativas irrealistas quanto ao tempo que a mudança demora: quando liguei para a empresa de mudanças para agendar o dia da mudança, não quis acreditar quando o Sr. me pergunta do outro lado da linha: “acha que tratamos de tudo num dia”? Fiz graças. Comentei com o meu marido. E na minha cabeça repetia: “Como assim tudo num dia? Isto fica pronto antes do meio-dia!”. Não podia estar mais enganada. As mudanças começaram às 8h30 da manhã e só pelas 17h30 é consegui ter tudo na casa nova tal era a quantidade de tralha! [E não, não mudei de Lisboa para o Porto. Não, eles não perderam 3h no caminho, a distância entre uma casa e outra não são nem 5 km.]
  4. Não planear a adaptação à nova casa: cada casa tem a sua disposição própria, e apesar de por vezes mudarmos para casas maiores, isso não significa que vá ser possível manter a disposição dos móveis a que estávamos habituados, nem sequer que todos os móveis vão caber na nova casa. Podemos ter de vender alguns móveis, e ter de comprar outros, e se não queremos ter as coisas em caixotes durante 6 meses, o melhor é começar essa ponderação quanto antes!

 

Dicas para mudanças felizes:

  1. Bom material de embalamento: pode parecer um gasto desnecessário [numa altura em que já vamos ter muitos gastos], mas a verdade é que bom material de embalamento faz toda a diferença numa mudança. Ter caixas de tamanhos iguais ou conciliáveis, ter papel de embrulho adaptado às peças que precisamos de embalar e garantir que todo o material é resistente é meio caminho andado para que tudo corra bem. É um investimento, mas é uma garantia de que tudo chega intacto ao destino. 
  2.  Etiquetar: muito importante! Além de identificar o que fica em cada caixa, é muito importante escrever também nas embalagens em que divisão devem ser deixadas. Não há pior pesadelo que acabar as mudanças com tudo na sala, misturado, e ainda ter de dividir tudo por divisões. 
  3. Conhecer as especificidades de cada peça: não podemos encher uma caixa de livros, da mesma forma que encheríamos uma caixa roupa, porque o peso é monstruoso. Se tivermos as caixas de tamanhos idênticos podemos, por exemplo encher meia caixa de livros e encher o restante de peças leves, por exemplo, almofadas.
  4. Caixas para a roupa: a nossa melhor descoberta desta mudança! Caixas que permitem que se tire tudo dos armários em cabides, e se arrume directamente nos armários da nova casa. Um sonho! As nossas foram facultadas pela empresa de mudanças, mas mesmo que não sejam, procurem porque a facilidade com que se arruma a roupa faz-nos saltar de alegria. 
  5. Arrumar por divisões: não ir arrumando sem critério. Ficamos estafados e com uma sensação de trabalho inglório porque se fez muito, mas tudo permanece desarrumado. Arrumando por divisões vamos fechando capítulos, ganhamos motivação e custa tudo muito menos!

E para já são estes os relatos que temos da nova casa da homy! Muitos mais virão. Fiquem atentos e partilhem connosco as vossas experiências e as vossas mudanças – estamos juntos!

 

Margarida FM