Quem me conhece sabe o que adoro obras! A maioria das pessoas não partilha o mesmo sentimento e não percebe o meu excitamento, mas a verdade é que tenho um fascínio por remodelações, recuperações, antes-e-depois, makeovers, redesigns…chamem-lhe o que quiserem!

Chegou a vez de iniciar as obras na Casa da Homy! Ou melhor, de começar os preparativos.

Para já estou a fazer tudo by the book e estou a seguir os passos de que vos tinha falado no post que escrevi sobre este tema (podem (voltar a) lê-lo aqui).

O primeiro ponto de que vos falei foi da importância de definir prioridades, de fazer um levantamento das coisas que gostávamos de mudar na casa para a tornar mais nossa e mais confortável. Parece fácil, mas não é bem assim.

Comecei por criar uma lista mental exaustiva e detalhada de coisas que gostava de mudar e rapidamente me apercebi que era muita coisa…mesmo muita: abrir janelas de um lado, fechar varandas do outro, parte aqui, põe ali, se se muda a vedação, substitui-se as portadas…

Temos de ter alguma cautela porque no que toca a obras e remodelações é fácil ‘ganhar velocidade’ e depois esbarramos com alguns obstáculos.

Por isso, alerta máximo:

  • Se, como eu, passa horas a fio no Pinterest a sonhar com as casas dos outros: não vai poder trazer o Pinterest para dentro de casa com um toque de magia…Se, como eu, não tem um orçamento ilimitado: toda e qualquer intervenção que pretenda fazer (sem excepção!) tem pelo menos 3 dígitos antes do símbolo €… por isso calma, muita calma!
  • Se, como eu, não vive sozinho/a em casa: a wishlist não é só sua, o que é bom, porque evita que o voo seja alto demais, ajuda a ponderar determinadas opções, a pensar noutras alternativas, a ver coisas que nos estavam a escapar! É um processo que se quer construtivo e não destrutivo.
  • Se, como eu, não tem bem noção das implicações técnicas de partir uma parede aqui ou ali: atenção que há sempre uma viga marota onde ninguém esperava, um licenciamento na Câmara que vai durar meses, um desnível no muro, um cano de qualquer coisa…
  • ‘Note to self’ e para todos vós: fazer um “caderno de encargos” não é escrever uma carta ao Pai Natal! Depois chega o dia e a decepção é grande, porque no sapatinho só está um par de meias aos corações…

 

Tendo passado um pouco por esta viagem de regresso à terra com as obras na casa da homy, sinto-me perfeitamente capacitada para vos deixar

TRÊS (SINGELOS MAS BONS) CONSELHOS SOBRE COMO DEFINIR PRIORIDADES:

  1. Foco no resultado! A definição de prioridades deve ser de uma forma geral uma lista das características que gostariam de mudar nas vossas casas (uma lista de necessidades e não uma lista de intervenções): a forma como vão fazer essas alterações fica para uma segunda fase, com  avaliações técnicas e orçamentos sobre o que é possível de facto fazer. Desta forma (e com ajuda de moodboards), os técnicos que contratarem vão estar mais capacitados para apresentar soluções adequadas para o que pretendem: melhorar o isolamento térmico, dar mais luz à sala, aproveitar um sótão para arrumação de roupa e objectos sazonais, desfrutar mais do jardim, criar um espaço de refeições no exterior, etc.
  2. Procurar soluções de grande impacto: o ideal é mudar tudo, mas a definição de prioridades é precisamente uma seleção daquelas coisas que vão realmente fazer uma grande diferença no nosso dia-a-dia, na estética da casa ou no seu conforto e muitas vezes são as pequenas alterações (de fácil execução e/ou mais económicas) que fazem uma grande diferença;
  3. É só o início! a wishlist é um eterno work in progress já que as necessidades se vão ajustando à medida das prioridades e as prioridades à medida do orçamento: nesta primeira fase é só uma carta de intenções, depois quando virem materiais, quando virem preços, quando surgirem novas ideias, quando surgirem percalços e surpresas na obra, o projecto inicial vai ser só um esboço de que já nem se lembra!

Aqui chegada, queria deixar-vos

A MINHA LISTA DE PRIORIDADES PARA AS OBRAS NA CASA DA HOMY:

  1. Remodelar o exterior para podermos aproveitá-lo sempre que o tempo o permitir, de dia e de noite, em família e com amigos, o que inclui: substituir materiais que estão francamente degradados e a precisar urgentemente de substituição; criar uma zona sem acesso a membros de 4 patas (por questões de higiene) e criar uma zona de refeições agradável e funcional. Esta está no topo da lista porque há de facto coisas a precisar de reparação/substituição e porque é o que já estava em pensamento desde o dia 1 e se foi arrastando, verão após verão.
  2. Trazer luz e mais luz para o hall de entrada e sala, actualmente muito escuros (para o meu gosto e para o que estava habituada n’#aprimeiracasadahomy de que vos falei aqui), em grande parte pela orientação da casa, de uma árvore que nos faz sombra na sala e também pelo tipo de acabamentos que tem. Quanto às duas primeiras não há nada que possamos fazer, por isso a aposta vai para os acabamentos!
  3. Modernizar! Há pormenores naquela casa que pertenceram a uma época que já lá vai e com a qual de maneira alguma nos conseguimos identificar…nem coabitar! Já sei que vou ter de fazer algumas cedências…a luta vai ser feia…são estes os principais combates no ring:
    • A Casa da Homy vs. Tinta de Areia
    • A Casa da Homy vs. Escadas
    • A Casa da Homy vs. Lareira
  4. Corrigir as barbaridades (com todo o respeito!) que foram sendo feitas naquela casa ao longo dos anos – em particular ao nível de pavimentos (falaremos em breve sobre este tema!) – e uniformizar em identidade, em estilo, em funcionalidade, em conforto.

 

As imagens que se seguem podem conter pormenores susceptíveis de ferir as sensibilidade dos nossos leitores…

(algumas fotografias foram tiradas na altura da mudança)

Daqui, vamos partir directamente para os moodboards e as conversas com a nossa arquitecta!

Até já!

Margarida B.